Cidadania Diretos Humanos Economia

José Ricardo repudia projeto do Governo que quer acabar com as vagas para trabalhadores com deficiência nas empresas

Este 3 de dezembro, Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, está marcado por mais um retrocesso do Governo Bolsonaro, que enviou para a Câmara dos Deputados Projeto de Lei (no 6.159/2019) para acabar com cota para trabalhadores com deficiência em empresas. O assunto foi repudiado em plenário pelo deputado federal José Ricardo (PT/AM), na tarde desta terça-feira (3), cobrando o arquivamento dessa proposta prejudicial, como ainda uma política estadual para essa significativa parcela da população, que representa 45 milhões de brasileiros e quase um quarto dos amazonenses, de acordo com o IBGE.

“Esse foi o presente do Governo para as pessoas com deficiência, menosprezadas em vários aspectos. Um retrocesso no país, que muito já havia avançado em legislações nessa área. O planejamento urbano, por exemplo, é feito sem levar em conta as suas necessidades”, declarou José Ricardo, esclarecendo que, pela proposta do Governo, será permitido às empresas o recolhimento de dois salários mínimos a uma conta da União, em troca de contratar funcionários com deficiência, devendo esse fundo ser gerenciado pelo próprio executivo.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) já se manifestou pela rejeição desse projeto, bem como a Federação das Apaes (Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais) do Amazonas, que está solicitando o apoio de todos os Parlamentares para rejeitar o Projeto.

Desafios a serem superado no AM

O Censo de 2010 do IBGE revelou ainda que, no Amazonas, cerca de 23,2% da população possuem algum tipo de deficiência e que entre os municípios amazonenses, Manaus está na quinta colocação, contemplando 25,6% dessa parcela da população. A capital do Estado também aparece em destaque como o terceiro município com a maior taxa de deficientes visuais, 21,4%.

Para o deputado, Manaus é a demonstração de como não respeitar as pessoas com deficiência, com muitos desafios diários enfrentados por quem vive a deficiência todos os dias. “Dificuldades que podem ser superadas com a conscientização e políticas públicas. Investimentos em infraestrutura, educação, saúde, assistência social é necessário”, disparou ele, lembrando que o dia 3 dezembro foi instituído pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1992, para estimular uma reflexão sobre os direitos da pessoa com deficiência, tanto na instância nacional como na municipal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *